28 de set de 2011

Brown Bunny (2003)

Título Original: The Brown Bunny
Ano: 2003
País: EUA
Diretor: Vincent Gallo
Gênero: Drama
Elenco: Vincent Gallo, Chlöe Sevigny, Anna Vareschi, Cheryl Tiegs, Elizabeth Blake, Mary Morasky

Minha Opinião:
Regular, mas que pode ser apreciado ou odiado. Com experiência, nota-se que, qualquer filme por pior que seja, sempre terá alguém que gostará, porque de alguma forma, mexeu com o “pessoal” desse alguém, tirando algo de marcante do filme (mesmo que sejam meros detathes).
Ao assistir “The Brown Bunny” o espectador percebe de primeira, pela fotografia, longas cenas sem cortes, poucos “closes”, poucas falas, músicas às vezes alheias ao momento e em outras vezes bem cadenciadas, que é um filme que não se importa muito com ele, pouco importa o espectador aqui, é do tipo “me assista se quiser”, inexplicavelmente o egocentrismo do Diretor se sobressai na tela, como se fosse um trabalho feito para ele mesmo, pensando em primeiro lugar no agrado dele. Essa impressão é bem confirmada com as curiosidades de “Brown Bunny”.
Apesar de tudo isso, incrivelmente o filme consegue agradar, é preciso estar em um bom momento e tolerante para sentir a missiva dele, sobre a desesperada fuga do passado e tentativa de expiação dos erros que cometeu, mas tudo isso só é revelado no final. Inclusive esse final foi o responsável pela enorme polêmica e o deixou marcado na história dos filmes controversos, a atriz Chlöe Sevigny faz sexo oral de verdade, e explícito.

Alguns não gostam, mas são de fato admiráveis profissionais que são capazes de atitudes assim pela carreira que amam, seja emagrecer ao extremo, beijar outro homem etc. É prova real de dedicação ao que fazem, mesmo fazendo pela polêmica e o destaque. Filmes como “Shortbus”, “A Pervertida” e esse, mesmo com todo o teor sexual, não dão para interpretá-los como produções pornográficas, mesmo a Chlöe Sevigny naquela cena, não dá para compará-la a uma atriz pornô, em nada suja a imagem dela, pelo contrário, pode até engrandecer.
O final com certeza foi um presente, não é todo dia que se ver atriz famosa se expondo assim.

Resultado: Regular à Bom.

2 comentários:

  1. Concordo com todo o conteúdo da resenha. O filme também me causou o mesmo impacto. Nota-se claro o egocentrismo do diretor. É realmente um filme para gostar ou odiar. O que eu acho que o diretor quis fazer um filme singular sem a pretensão de agradar a ninguém, simplesmente fez e ponto final.
    É um filme que difere pela "ousadia" de uma cena, em que a atriz teve realmente a coragem de se expor. E com isso poderia jogar fora uma toda a sua carreira. Muitos atores também já fizeram algumas extravagância em nome da arte. E as vezes essas tais ""extravagancias", fizeram um divisor de águas em suas carreira. Um fato parecido com o dela, foi o que o Gael Garcia Bernal fez no filme "Má Educação", que após o sucesso extraordinário alcançado em Diários de Motocicleta, ao interpretar o lider Guevara, fez no filme Má Eduação, um personagem que tranvestido de mulher e fez algumas cenas de sexo com um outro ator. Porém nem por isso a sua carreira afundou.
    Brown Bunny é um filme para ser visto e tirar as suas próprias conclusões.

    ResponderExcluir
  2. Agradeço o comentário, Naldemir. De fato, é um filme controverso que pode agradar alguns e outros não. De toda forma, esse filme me agradou em algum sentido.

    ResponderExcluir